home > Como Funciona > A aplicação de relevo em embalagens de papel‑cartão
twitter
Banner Facebook

Parceiros

A aplicação de relevo em embalagens de papel‑cartão Imprimir E-mail
Escrito por Erick Bernardo   
Seg, 19 de Março de 2012

Armazenamento e transporte do produto. Estas foram por muito tempo as principais funções das embalagens em papel-​­cartão. Porém, em um mercado cada vez mais competitivo, é necessário que sejam cria­dos atrativos para facilitar a venda do produto, agregando mais beleza e enobrecendo a embalagem. Podemos citar diversos acabamentos especiais, como laminações, vernizes especiais, aplicação de hot stamping e de relevo.
O efeito de relevo é obtido através do processo de estampagem de dobra, que consiste no uso de punção e matriz, popularmente conhecidos no meio gráfico como clichês macho e fêmea. Através do uso dessas peças é possível obter o efeito de alto ou baixo relevo e até mesmo múltiplos níveis, dependendo do processo de gravação utilizado.
O processo químico de gravação é o mais conhecido e utilizado, por conta da melhor relação custo/benefício e menor tempo de execução quando comparado ao processo de usinagem por fresamento. Este, por sua vez, demanda maior tempo de execução, mas permite a cria­ção de efeitos de relevos mais complexos e elaborados.
De maneira geral é possível exemplificar de maneira simples o processo de aplicação de relevo com clichês.
Ini­cial­men­te a aplicação do relevo era feita separadamente do processo de corte e vinco; contudo, com a necessidade de otimização da produção, foi desenvolvido o sistema de fixação das matrizes de relevo acopladas nas facas gráficas para corte e vinco, tornando o processo muito mais rápido e barato, provocando a popularização deste tipo de acabamento.
É importante também destacar a impressão de textos em braile através desse processo, atendendo às resoluções normativas ao possibilitar que pes­soas com necessidades visuais especiais possam ter informações sobre os produtos que estão adquirindo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De maneira geral, o desenvolvimento das matrizes é feito levando-se em conta os dados dimensionais do painel onde será aplicado o relevo, as características da arte e do substrato para que as devidas compensações sejam efe­tua­das e ocorra o perfeito fechamento do ferramental acoplado ao sistema.
Uma dessas matrizes é capaz de gerar até 250.000 impressões, sendo necessária a rea­va­lia­ção após essa tiragem, uma vez que o desgaste pode comprometer o efeito de relevo.
Diversos fatores podem interferir na aplicação do relevo. Os principais são:

  • Espessura incorreta dos clichês ou dos blocos da faca onde eles são fixados, causando falha do relevo ou ruptura do substrato.
  • Pouca profundidade na gravação dos clichês, impedindo que seja alcançada a máxima altura.
  • Proximidade entre área de relevo e lâminas da faca.
  • Fixação incorreta dos clichês na faca, provocada pelo po­si­cio­na­men­to incorreto dos furos de fixação, causando o empenamento e, em casos extremos, a quebra das peças.

Ao longo desses anos em que acompanho e desenvolvo projetos de relevo voltados para os mercados calçadista, far­ma­cêu­ti­co, cosmético, tabagista e outros, cheguei à conclusão de que, mesmo com o avanço da tecnologia dos equipamentos e desenvolvimento de novos processos, a ex­pe­riên­cia do operador de corte e vinco mostra-se como um dos principais fatores para que se obtenha o melhor resultado na aplicação do relevo, pois, em determinadas si­tua­ções, é necessário que se façam calços para nivelar, aumentar o efeito de relevo ou até mesmo que os blocos onde os clichês são fixados sejam desbastados para evitar a ruptura do substrato.

Erick Bernardo é gestor de desenvolvimento e produção da Bronz’Art Clicheria

Texto publicado na edição nº 81