home > Impressão > Gravação direta a laser, DLE
twitter
Banner Facebook

Parceiros

Gravação direta a laser, DLE Imprimir E-mail
Escrito por Oscar Wellington Daniel   
Seg, 26 de Outubro de 2009

A gravação direta a laser (DLE) é uma tecnologia inovadora de gravação que permite total controle na formação do ponto, possibilitando a personalização do mesmo, atendendo a demanda por alta qualidade.

Gerou grande expectativa no mercado gráfico brasileiro a chegada de equipamentos com a nova tecnologia DLE, Direct Laser Engraver (do inglês, gravação direta a laser), que já representava uma revolução no mercado europeu em diferentes segmentos de impressão. Assim, a introdução desse sistema nos segmentos de flexografia, dry offset e letterpress não deve ser diferente.

A tecnologia DLE está no Brasil há cerca de um ano e nesse período testes já foram realizados com a gravação de chapas e de sleeves (camisas) para impressão nesses três processos.

A DLE representa mais um salto para o aperfeiçoamento do processo de impressão flexográfica quando comparado à rotogravura na impressão contínua (sem emenda). Significa também um avanço para os processos de offset seco e tipografia. Traz uma nova dimensão em termos de qualidade, eficiência e economia e, acima de tudo, sem prejudicar o meio ambiente.


Funcionamento

No processo de gravação, a tecnologia DLE possibilita o controle tridimensional, uma vez que o laser incide em uma chapa totalmente polimerizada e “esculpe” o ponto com a configuração desejada. Assim, podemos somar as vantagens do ponto gravado em sistema convencional por fotolitos, que é a robustez da sua base — o que o torna resistente —, com os benefícios da gravação pelo sistema digital: os pequenos pontos de altas luzes. Logo, podemos obter dégradés suaves, acabando em 0%, eliminando a marcação “dura” até então vista como uma limitação dos três processos de impressão que estamos tratando: flexografia, dry offset e letterpress.
O controle do ponto, tão enfatizado na tecnologia DLE, é obtido com a definição do first step (altura da cabeça), do plateau (que define o ombro do ponto e, por consequência, a cabeça) e do angle, que define o ângulo da sua base. O formato do ponto, apresentado na figura da coluna ao lado, possibilita também um menor ganho de ponto durante a produção.

Benefícios

Dentre os três segmentos de impressão que estamos tratando neste artigo, a flexografia foi a mais beneficiada com a tecnologia DLE. Além de todos os benefícios na qualidade do ponto e, consequentemente, no resultado alcançado de altíssima qualidade de impressão, muito próximo ao de rotogravura, eliminou-se a presença de emendas com os sleeves gravados em DLE, garantindo uma impressão contínua de qualidade, sem a limitação da emenda.

Outro benefício importante é o menor ganho de pontos durante a impressão, pois com o desgaste natural do ponto em outros processos aumentaria o tamanho da cabeça do mesmo, mas na chapa ou no sleeve com gravação direta a laser (DLE) o ponto se mantém com a mesma área de contato para imprimir, ainda que com maior pressão
durante a impressão.

Mais uma vantagem está no controle da altura do ponto nas áreas de mínimas: com uma pressão menor do que nas áreas de máximas, conseguimos um dégradé com a suavidade desejável.

As chapas gravadas diretamente a laser também têm como característica uma maior durabilidade e resistência durante o processo de impressão. Isso ocorre porque não precisam de revelação química ou pós-processamento, que agride ou diminui a sua resistência, fato que torna a tecnologia DLE ecologicamente correta. Ela grava em matrizes de compostos de borracha, tanto as chapas quanto os sleeves, materiais que aumentam ainda mais a durabilidade da matriz, diminuindo as trocas e perdas de clichês durante a produção, e grava também em placas de fotopolímero. Além disso, permite gravar as chapas já nos sleeves rígidos, o que agiliza o pré-registro, reduzindo o tempo de setup da impressão.

Cuidados
As chapas gravadas a laser são mais resistentes, em razão da configuração do ponto conseguida, porém os cuidados com a limpeza e manuseio são semelhantes aos das chapas digitais ou convencionais.

Aplicações
A princípio, a DLE é indicada para todos os tipos de segmentos, sem restrições. Porém, seu custo (por ser uma nova tecnologia) ainda não é similar ao da gravação de clichês digital ou convencional. Considerando esse fato, as aplicações mais indicadas seriam aquelas relacionadas diretamente com a extrema qualidade de impressão e a necessidade de uma maior durabilidade da chapa, devido à utilização de solventes como o Toluol ou uma alta tiragem.

Os trabalhos que utilizam altas lineaturas, comparados aos padrões de cada processo, que utilizam chapas gravadas a laser, têm um comportamento mais estável e por isso uma maior produtividade ao imprimir com alta velocidade. Com a gravação a laser se permite até aumentar um pouco a li­nea­tu­ra sem prejudicar a produção, pois tende a entupir menos as retículas.

Em trabalhos de alta tiragem, a resistência do ponto gravado a laser possibilita maior vida útil da chapa, mesmo tendo mais de uma entrada do mesmo trabalho. No caso da chapa de borracha, conseguimos ainda uma maior durabilidade nos processos que utilizam solventes como o Toluol, porque podemos personalizar a composição da borracha para aumentar a resistência contra a
agressão dos solventes.


Oscar Wellington Daniel é coordenador técnico de Vendas da Finetech Fotolitos e Fotopolímeros e tem 12 anos de experiência em flexografia. É formado pela Faculdade Senai de Tecnologia Gráfica, com pós-graduação em Administração pela Fundação Getúlio Vargas.

 

Texto publicado na Edição 68