home > Acabamento > Oportunidades no segmento de cartões impressos
twitter
Banner Facebook

Parceiros

Oportunidades no segmento de cartões impressos Imprimir E-mail
Escrito por Paul Dirienzo   
Ter, 31 de Março de 2009

Aumento na demanda e o desenvolvimento de equipamentos para tiragens menores impulsionam esse mercado.

Talvez você já tenha pensado em expandir seus produtos através da impressão de cartões plásticos, porém se deparou com os custos elevados dos equipamentos. Mas, existem razões para se repensar essa estratégia. Uma delas é a demanda crescente nessa área em todo o mundo, es­pe­cial­men­te no que diz respeito a cartões de pequenas tiragens produzidos por pequenas lojas de impressão co­mer­cial. Outro fator significativo é que, atual­men­te, o custo para se entrar nesse mercado é consideravelmente menor.

Que tipos de cartões impressos são esses? A vantagem desta oportunidade de mercado está, na verdade, no número de diferentes tipos de aplicações de cartões plásticos que existem em dimensão padrão CR80 (tipo cartão de crédito). Um exemplo é o cartão de as­so­cia­do. Organizações como bi­blio­te­cas, escolas e clubes pos­suem clien­tes que necessitarão de algum tipo de cartão de as­so­cia­do. Enquanto alguns cartões de identidade freqüentemente envolvem sistemas de segurança adi­cio­nais e não podem ser fei­tos por gráficas co­mer­ciais não es­pe­cia­li­za­das em impressos de segurança, um bom número de cartões de as­so­cia­do não requerem processos de segurança e nem equipamento extra.

Hoje, os cartões telefônicos estão presentes em todos os lugares, mas, há pou­co tempo, eram uma raridade. Na verdade, mui­tos dos líderes mun­diais em cartões telefônicos começaram com pequenas lojas de impressão co­mer­cial. Ainda é interessante entrar nesse mercado, mas desenvolver um nicho em cartões telefônicos, poderá exigir mais do que investir em equipamentos e divulgar seu trabalho. Você precisará entrar em contato com empresas já estabelecidas no ramo de cartões telefônicos pré-​pagos para verificar se a fabricação de cartões ter­cei­ri­za­dos é compatível com o modelo de negócio delas.

Cartões de presente é ou­tro segmento bastante popular nos Estados Unidos e que está se espalhando por ou­tras partes do mundo. Aqueles fa­mi­lia­ri­za­dos com o rápido crescimento do mercado de cartões de presente nos Estados Unidos estão cien­tes de como os processadores de transações ter­cei­ri­za­dos ajudaram a conduzir esse mercado. Recentemente, um dos processadores de transações de cartões de presente mais notável, a ComData, abriu fi­liais na Europa, um sinal claro de que a mesma dinâmica do mercado dos cartões de presente como um nicho lucrativo nos Estados Unidos está se espalhando. Você pode considerar isso um fenômeno exclusivamente americano, mas a história do mercado de cartões de presente dos Estados Unidos sugere ou­tra ma­nei­ra. Considere que, há mais ou menos 10 anos, os cartões de presente nos Estados Unidos eram raros e, normalmente, uma segunda escolha para um presente. Dados de 2005 refletem o quão rapidamente esta dinâmica mudou. Relata-​se que 76% dos adultos adquiriram um ou mais cartões de presente. A média foi de 4,7 cartões de presente por pessoa. O valor médio por cartão foi de aproximadamente US$ 38. Na verdade, não foram tanto os fabricantes de cartões de presente que conduziram o mercado, mas o lucro significativo que esses cartões deram aos varejistas. (Para mais informações, leia “Technology Gui­de for Capturing Gift Card Market Opportunity” em www.spartanics.com).

Da mesma forma, os cartões de fidelidade são cada vez mais comuns, pro­pi­ciam um retorno fi­nan­cei­ro significativo aos varejistas e estão movimentando o mercado. Os clien­tes gostam dos mimos que tais cartões costumam oferecer. Os varejistas apreciam a montanha de informações que conseguem recolher nos modelos de compra, permitindo obter uma melhor estrutura de preços e assim um ­maior índice de retorno.
Os cartões-​chaves de ho­téis também são mais um exemplo de produto pou­co imaginado há anos atrás e que, hoje, são mui­to comuns. Aqui também a validade para esses tipos de cartões é relativamente curta e se enquadra bem no escopo das pequenas lojas de impressão equipadas para a fabricação de cartões.

O que é necessário para produzir esses cartões? As despesas com equipamentos são ra­zoá­veis. Mui­tos cartões podem ser impressos em máquinas offset já presentes em mui­tas gráficas co­mer­ciais. Alguns cartões também são impressos através de ou­tros processos como serigrafia, impressão digital etc. Outros exigirão laminadores térmicos alimentados via rede. Um filme de laminação pode ser adquirido com listras magnéticas já inclusas ou listras que podem ser aplicadas de­pois de cortadas, utilizando uma unidade de estampagem a quente.

O ­maior custo na fabricação de cartões impressos é o equipamento de perfuração do cartão. Os melhores sistemas, que oferecem a mais alta produtividade ope­ra­cio­nal para grandes execuções e para registro cut-​to-print extremamente compacto, registrando cada corte em três dimensões (X, Y e Ro­ta­cio­nal), tem custo igualmente alto. Os sistemas topo de linha podem produzir até 70.000 cartões por hora e pos­suem mui­tas características au­to­ma­ti­za­das que permitem a perfuração ae­ro­di­nâ­mi­ca dos cartões em grandes volumes.
Entretanto, para solicitações de bai­xo volume, na ordem de 72.000 cartões por dia ou menos, há sistemas de perfuração de cartões bem mais aces­sí­veis. São sistemas compactos, do tamanho de uma fo­to­co­pia­do­ra, que não requerem o espaço dos sistemas de perfuração mais avançados, voltados para as grandes tiragens.

Não se assuste com o número de fabricantes de cartões que você pode encontrar na Internet. Mui­tos deles pos­suem nichos bem desenvolvidos em cartões fi­nan­cei­ros de alto valor ou cartões de segurança de múltiplas camadas que requerem investimento considerável em facilidades e processos de fabricação seguros. Essas empresas, principalmente se forem gigantescas, pos­suem despesas con­si­de­rá­veis e mui­tas não conseguem ser competitivas em pequenas tiragens de cartões sem a utilização de recursos de segurança dis­pen­dio­sos.
Felizmente, ninguém está sozinho ao pensar em ­atuar no segmento de cartões impressos. Fabricantes bem con­cei­tua­dos de equipamentos de perfuração de cartões oferecem consultas gra­tui­tas sobre como ajustar as operações de perfuração e ou­tras dicas sobre as oportunidades desse mercado.

Paul Dirienzo é diretor de Engenharia da Spartanics (www.spartanics.com), fabricante de sistemas óticos de corte e perfuração de cartões, sistemas de corte a laser, equipamento de impressão por tela e outras tecnologias para finalização de material usado em conversão e indústrias similares.

Texto publicado na Edição 65